Do asfalto para a montanha: a saga de Evandro Steavnev

“Comecei a correr há 10 anos na equipe Corre Corinthians. A intenção era apenas perder peso. Deu certo. Na época eliminei 12 quilos. Então comecei a participar de corridas de rua e a primeira medalha veio nos 5K da Corrida Contra o Câncer de Mama.

Durante três anos corri com eles regularmente. Aí, por conta de uma mudança no trabalho, parei de correr. Fiquei sem tempo. Em dois anos ganhei aqueles 12 quilos de volta e mais três.

Um dia, meu vizinho, Roberto Leandro, viu minha mudança para pior e me convidou para treinar com a FMAX. Topei na hora! Voltei a caminhar. Tentei correr algumas vezes, mas estava pesado e ainda desmotivado. Então ele me desafiou para uma corrida de 5K. Fui lá e consegui. Depois o desafio foi para os 10K. Consegui de novo, mas ainda estava gordo.

Até que ele me chamou para correr a São Silvestre. Confesso que fiquei com medo. Eram 15K e eu ainda gordo certamente não conseguiria completar. Mas topei. A equipe esteve comigo até o fim e completar a prova foi uma vitória.

Então resolvi voltar de vez aos treinos com o mesmo objetivo: perder peso. Resolvi voltar para a equipe Corre Corinthians. Muitas provas e muitos treinos depois eu fiz a minha primeira maratona, a de São Paulo: 5h15min. Resolvi me desafiar e treinar para baixar meus tempos. A última maratona que fiz foi em 3h35min.

Ia dominando o asfalto quando conheci um corredor nato de montanha, o Fernando Campanha. Esse é meu amigo-irmão até hoje. Ele me apresentou às montanhas. Lembro que a minha experiência foi em Mairiporã, Copa Paulista de Corridas de Montanha. Pensei que ia morrer com tanta subida. Eu, corredor de asfalto, não fazia a menor ideia do que vinha pela frente. Quando cheguei no topo da montanha entendi por que aqueles corredores amam estas provas: uma visão espetacular, um cenário maravilhoso. Juntando o suor para chegar lá em cima à adrenalina e a emoção da missão cumprida… Foi uma explosão! Não dá para explicar tudo o que realmente senti. Me apaixonei!

Fui me desafiando cada vez mais, voltei ao peso ideal e passei a ganhar troféus. Correr entre os primeiros! Mas eu queria ir mais longe. Então pedi à minha treinadora na ‘Corre Corinthians’ um treinamento para uma ultramaratona de montanha. Ela me indicou uma prova de 65 em Florianópolis. Treinei muito, fui lá e completei a prova. Nem preciso falar do cenário! Top! Vivi muitas sensações no percurso. Ri, chorei, pensei, cantei, ri de novo… Foram 7h55min correndo naquela montanha. O melhor que já fiz.

Continuei evoluindo. Fechei 2017 como vice-campeão da Copa Paulista de Corridas de Montanha e da etapa nacional, em Campos do Jordão, onde sõ correm os melhores. Fui ficando cada vez melhor. Foi show!

Espero continuar correndo em 2018 e, assim, conhecer outros lugares espetaculares que só a corrida de montanha nos apresenta.”

Evandro Steavnev, 45 anos, comerciante de São Paulo