‘Foi ótimo termos encontrado o Campeonato Fluminense de Corridas de Montanha’

Casados há 13 anos, José Carlos Jorge e Consuelo Freiria Jorge são figuras conhecidas nas etapas do campeonato Fluminense. Este ano marcaram presença em todas elas. Moram no Rio de Janeiro, tem três filhos e trabalham com tecnologia da informação no Ministério da Saúde. José Carlos, 57 anos, sempre foi adepto da corrida. Começou jovem e no asfalto chegou a correr algumas maratonas.

“Acabei deixando a corrida de lado por conta da vida atribulada entre família, estudo e trabalho. Só retornei firme realmente há quatro anos, quando comecei a treinar com a assessoria CamelBak Outdoor Sports, incentivado por minha irmã, Cristiane Jorge, uma fera das corridas”, conta Jorge.

Consuelo, 52 anos, sempre fui mais avessa às corridas, mas acabou sendo convencida a correr pelo marido. Começou a treinar para corridas de rua no fim de 2015.

“Mas logo me apaixonei pelas corridas de montanha”, garante a corredora.

Com assessoria voltada para as corridas de montanha, Jorge e Consuelo focam os seus treinos na modalidade. Uma vez por semana sobem a Vista Chinesa, na zona sul do Rio. Um lugar muito procurado por corredores e ciclistas para treinos de subida.

“Aos sábados sempre há treino em alguma trilha nos parques do Rio. Parque Lage, Floresta da Tijuca e outros. O contato com as trilhas nas montanhas é desafiador, principalmente por conta das subidas mais íngremes, mas é muito compensador. Aos poucos foi nos cativando, proporcionando grandes momentos. Foi uma conquista para os dois”, conta Jorge.

Em Maromba

Este ano, os dois decidiram correr as etapas do Campeonato Fluminense de Corridas de Montanha. A proximidade de casa, o calendário definido e a credibilidade da competição pesaram na hora de decidir.

“Há algum tempo vínhamos procurando participar de corridas por perto, de maneira que não ficássemos muito tempo longe. Foi ótimo ter encontrado o Campeonato Fluminense. O calendário definido para o ano todo permitiu o nosso planejamento antecipado. Foi bom saber, também, que o trabalho já acontece há alguns anos”, diz o corredor.

Até aqui foram três etapas. Para Consuelo, cada uma delas teve o seu desafio e uma característica marcante. Para ela, é difícil apontar uma que se destaque mais.

“Difícil escolher. Uma tem sido melhor que a outra. Podemos destacar as travessias dos rios gelados em Maromba, o desafio do curto de 8K, que virou 12,5K no Parque Natural Municipal de Montanhas de Teresópolis e as belezas naturais da aventura de Araçatiba”, conta a corredora, que já planeja as próximas etapas.

O casal criou o hábito de treinar junto, mas Jorge lembra que um respeita o planejamento específico do outro. Nem sempre é lado a lado, mas ele reconhece que o esporte contribui para a relação do casal e traz novas amizades.

“Às vezes, um está fazendo um intervalado e o outro um longão.  Escolhemos distâncias diferentes nas provas, mas é

Maromba

recompensador nos encontrarmos na chegada, com a satisfação de termos conquistado mais outro desafio. Aumenta a nossa cumplicidade, nosso companheirismo, nossa satisfação e orgulho com a vitória do parceiro. O mais importante é que encaramos a corrida como uma forma de melhorarmos nossa qualidade de vida, cuidando da nossa saúde e bem-estar. Outro aspecto a considerar é o fato de a corrida nos proporcionar a oportunidade de adquirirmos novas amizades, o que sempre é bem-vindo”, festeja o corredor.

Jorge lembra que ao escolherem percursos diferentes o casal acaba sofrendo um pouco mais durante as provas. A preocupação e o cuidado com o outro acabam desconcentrando um e outro. Mas encara a situação com bom humor.

“Um dá força para o outro. Mas, como fazemos sempre percursos distintos, às vezes a preocupação com o desempenho do outro acaba desconcentrando… A cada dificuldade a mais que encontramos pela frente, mais aumenta a preocupação com o outro, que pode estar enfrentando obstáculos ainda piores. Aí, temos que rir, para não chorar”, brinca o corredor.

Ilha Grande

Jorge e Consuelo treinam e já planejam a ida para a etapa Lumiar, em 27 de maio. Não sem deixar de lembrar e curtir a aventura na Ilha Grande e o banho de mar na praia de Araçatiba.

“A prova foi maravilhosa, com paisagens deslumbrantes. Também desafiadora, com muitos trechos técnicos. A organização foi impecável. E o melhor de tudo foi o banho de mar na chegada… Tem sido muito bom poder participar das etapas. Deu para constatar que o trabalho é bem feito e bastante organizado, principalmente se considerarmos que são quatro campeonatos concomitantes (ufa!) Esperamos que a organização continue nos surpreendendo positivamente nas próximas etapas!”, diz o casal.